A Casa dos meus Sonhos

casa dos meus sonhos andrea ramos foto de edu carvalho
Edu Carvalho

Fica na rua comprida, sem curvas, moram vizinhos que se entreajudam.

A mãe solteira, empanada com o filho, pneu furado, vem o Afonso, o idoso das anedotas picantes, ajuda-a a mudar o pneu.

O café, onde vamos beber o cafezinho, de braço dado, vende pão gostoso e sopa ‘tranca da barriga’ para quem tem preguiça.

Passo dias na horta, converso com os pássaros, não estão em gaiolas; quando sacho, atiro-lhes minhocas.
Ai, as minhas rosas do jardim, o perfume vai até ao fundo da rua.

No meu quarto, limpo o pó às molduras, beijo-as com ósculo ingénuo.

casa dos meus sonhos foto de ron lach
Ron Lach


Nalguns fins de semana, casa cheia, os mais novos pedem-me que lhes conte as histórias da meninice. Depois, tachos e panelas para esfregar…

O Sr. Presidente da Junta mandou fazer um parque, gosto de lá passar sempre que vou à mercearia da filha da Ti Joana (que Deus a tenha!). As árvores ainda são pequenas, imagino os namorados no banco de jardim, à sombra.
Umas ‘dorezitas’, tomo produtos naturais para não me fazer mal ao estômago. Gosto mesmo é quando o meu marido me faz uma (desajeitada!) massagem nos ombros.

Ainda tenho alguma vista para fazer renda e tricot. No Natal, é prenda para filhos, genros, noras e netos.
Aperalto-me para ir à igreja ao domingo. Bebemos um copito à refeição. Jogamos cartas e petanca com os da nossa idade. Deixamos uma cesta de frutas ao Afonso. O carro faz-nos as vontadinhas.

casa dos meus sonhos foto de jenny mavimiro

A minha casa é bem iluminada, bate-lhe o sol o dia todo, tem um poço de água, elixir da jovialidade.
As minhas frangas riem quando lhes levo milho no avental.
A lareira, o sofá e a mantinha, a conjugação perfeita, no inverno.


Hoje, decidi fazer salada de fruta com as laranjas do quintal e um bolo de iogurte, vêm cá as eternas amigas.
E lá vem o marido resmungar porque me esqueci de apagar a luz da casa de banho, dou-lhe um beijo à descarada, só para o calar. Passa os dias na oficina da garagem, arranjos à medida. Por vezes, faz fiado ou diz que a conta está paga, é o seu bom coração! Tem fetiche do computador e um blogue (desde que foi à universidade dos velhos). Eu entretenho-me a remendar meias e a subir bainhas.


A casa dos meus sonhos tem trabalho e vida, chama-se LAR.


E eu aqui, nesta cadeira, pensativa, solitária!

Tanto desejava ter a minha cómoda, as molduras e o meu colchão!

Carrego ao peito a saudade de ti, que já te foste.

Visto-me de negro, tenho alma chorosa. A minha bengala testemunha desgraça. O corpo envelheceu, mas o espirito continua o meu. É este ‘Eu’ que ninguém vê! Estou neste depósito porque havia muitos perigos na minha casa (risos tristonhos), que estupidez, andava nela até de olhos fechados!


Dizem-me que não têm muito tempo para cá vir. Tenho medo de não ter mais histórias, eles gostam é daquela coisa sempre agarrada aos dedos!

Esta casa é mórbida, vai-se um de cada vez, a próxima será a minha.

Quem dera a oficina viva do meu marido para consertar a minha vida! Preferia as minhas couves, alfaces, batatas a esta comida de engodo. Não me queixo dos colegas, tem cada um o seu fado. Alguns foram deixados como casca de maçã para o lixo, ela serviria para a compostagem… E aqui a pensar no chá dessa casca com canela…

andrea ramos a minha casa dos sonhos foto de katana 1
Katana


Os funcionários suplicam para ver o meu sorriso, dizem que é bonito (tentam alegrar-me!).

A Serafina vem de táxi, ver-me. É ela que dá comer ao Estapafúrdio, o cão guardador da minha casa.
Ossos desengonçados, espreito pela janela, só prédios em volta, passa um tipo todo suado e uma mulher a passear o cão.

O melhor era ser pássaro para voar até à minha casa.


Neste dia da saudade, dedico este texto a todos os idosos que vivem em solidão e que ainda têm tanto para dar! Não os esqueçamos!

Assinatura-Andrea-Ramos

Todos os direitos reservados. Proibida a reprodução por quaisquer meios, salvo em breves citações com indicação da fonte, sem prévia autorização da Autora.

Partilhe:

2 opiniões sobre “A Casa dos meus Sonhos”

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Artigos Relacionados

Uma rosa e um cravo

Era uma vez uma linda rosa,Charmosa, cheia de risos e encantoPor sua vez, um cravo musical recatadoExalaram seu perfume inusitado No jardim da missão instruíram a semearUma rosa, um cravo que hoje nos deixam a

Leia mais »

O brasão da autoestima

Não vimemos na idade média, nem somos guerreiros de atos heroicos. Apesar disso, brasões são ainda usados como tradição, um símbolo familiar. No reino da mente humana existe o brasão da autoestima, um espelho que

Leia mais »

Somos Humanos

Somos humanos. Somos gente de algum lado, de alguma terra. Somos feitos da mesma matéria. Nascemos da mesma forma, todos caminhamos para o dia da morte. Muitos acham que Deus não existe. E têm esse

Leia mais »

Artigos Recentes

Redes Sociais

Scroll to Top