Resta-nos acreditar que um dia irás reconhecer! (Metamorfose)

33072620 1709192085860290 7512662438026674176 n


(Sim tu!) Operador hábil, enfim te tornaste. Camuflaste o guindaste.
Na lapela a insígnia do perigo, do terror. Bizarra pose! As armas… teu brinquedo.
Zaranzando na teoria do medo, em sigilo arquitetaste o alvo a abater,
Primígenos rendidos ao teu querer… (Malévolo Senhor!).

(Infame é teu ser!) Mareante, de águas gélidas oriundo.
Nascente lacrimal, o mundo, (Cobarde!) viu nascer.
Cravaste punhal de gelo (Figura de espadachim!),
Em mártires corações, num frenesim, desespero profundo (Flagelo!).

Erguera-se a madrugada queixosa. Primórdio da tua ardilosa Epopeia.
Inspiração harmónica de Pitágoras? (Estapafúrdia ideia!).
O quê? Tornaste-te agricultor? Antecipaste a ceifa! (Porquê?)
Aniquilaste a fértil produção! (Prantearam as mandrágoras…)
Eternizada a auspiciosa geração!

Pintor de renome cobiçaste, não podes negar!
(Miserável vaticínio!).
Carmesim, tua seleção, nas entranhas, hediondo pincel impregnado.
(Mestre da matança!) Na tela corpos sangrentos a espernear (Grotesco assassínio!).
Teu rosto… (vil lembrança!) (Naaaaaaão!)
Quando é que este inferno vai acabar?

Foto: Internet

Todos os direitos reservados.
É expressamente proibida a reprodução total ou parcial deste texto, por quaisquer meios, sem prévia autorização, por escrito, da autora.

Leave a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Scroll to Top