Miúdo decidido

pexels photo 10410864


O petiz amava mergulhar nas águas frias de Santa Cruz. Aprendera a nadar nas aulas de iniciação aquática. A cada verão, era vê-lo na sua prancha a fazer brilharetes. Passara a fase das birras para sair da água.

Certa vez, deitado na toalha, rabiscava na areia. A mãe chamou-o para comer as sandes de carne assada e ele, não respondeu. Estava esquisito! Nesse dia, não voltou para a água. Após o interrogatório no carro, encolhia os ombros, dizendo que não era nada. Passou o resto das férias em casa da avó, no Norte.

As aulas iniciaram e a professora primária resolveu conhecer os seus alunos de modo diferente. Fez um jogo: através de mimica, teria de adivinhar o que o aluno (a) mais gostaria de vir a fazer no futuro, detalhes da família e a comida preferida. Ele ficou sentado e não quis participar, apesar das várias tentativas por parte da docente e dos colegas.
Quando chegou a casa, determinado, abordou a mãe, que preparava bolachas de manteiga. Sentou-se para escutar o filho.

ꟷ Mãe, porque me deste este nome?
ꟷ Filho, sabes a razão, expliquei-te várias vezes. O que se passa?
ꟷ Lembraste daquele dia na praia?
ꟷ Qual, filho?
ꟷ Aquele: não fui para a água?
ꟷ Sim, então… o que me queres dizer?
ꟷ Eu fiquei com medo. Vi um homem a tentar afogar uma mulher, mas ela conseguiu escapar. As pessoas todas na praia? Acho que não se aperceberam! Foi por isso que vim logo para a toalha.
ꟷ Oh, filho, porque não me contaste logo?
ꟷ Mãe, quando eu crescer, posso ser nadador-salvador?

A mãe abraçou-o e uma lágrima do pequeno rosto caiu no seu ombro. Ela percebeu o processo de decisão do rapazote. Não bastava o nome, salvaria pessoas!


Foto: Jonathan

Assinatura-Andrea-Ramos

Todos os direitos reservados. Proibida a reprodução por quaisquer meios, salvo em breves citações com indicação da fonte, sem prévia autorização da Autora.

Partilhe:

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Artigos Relacionados

natal cor de rosa andrea ramos

O Natal é cor de rosa

Naquele dia, ela tinha vontade de dar. Não sabia como fazer, como começar. Recortou um pai Natal bondoso de uma revista. Ela sabia que ele deixava as crianças cheias de gozo e contentamento. Mas, lá

Leia mais »
desnorteado

Desnorteado

Era a tarde de mais um dia. Escurecia…Jonathan já cansado e desgastado da vida, fiel à sua persistência, ali estava, senão a dormitar sob a relva esperança do horto colossal. Jardim esse, que perdera todas

Leia mais »
contos, coração sem nada

Coração sem nada

Chorava por tudo e sobretudo por nada. Aquela sensação de deserto perdurava ao cogitar na longa noite! A saudade fazia com que desesperasse, por vezes. Sim, chorava por amor! O amor louco e intenso que

Leia mais »

Artigos Recentes

Redes Sociais

Scroll to Top