(Amar)

18011010 1295484033897766 4029379333572868010 n


Esperava-te todos os dias. E tu chegavas e nem sequer me olhavas.

Lembrava-me sempre daquele banco. Solitário, à chuva, frio e vento, ao calor abrasador… ali permanecia, calado, sem gemer.

E mais um dia e outro tu nem fazias ideia do que eu sentia. Nem sequer te aproximavas do banco. Talvez ele te segredasse o que todos já sabiam, menos tu!

«Demasiado ocupado!» – dizias.

(A pressa era quem te oprimia!) Ofuscado certo dia, sentaste-te no banco, tal era a arritmia.

Percebeste então que amar não fazia mal.


Foto: internet

Assinatura-Andrea-Ramos

Todos os direitos reservados. Proibida a reprodução por quaisquer meios, salvo em breves citações com indicação da fonte, sem prévia autorização da Autora.

Partilhe:

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Artigos Relacionados

miúdo

Miúdo decidido

O petiz amava mergulhar nas águas frias de Santa Cruz. Aprendera a nadar nas aulas de iniciação aquática. A cada verão, era vê-lo na sua prancha a fazer brilharetes. Passara a fase das birras para

Leia mais »
Estrela natalícia

Estrela Natalícia

Disse-lhe o nome e o comboio percorreu os trilhos furtivamente. Ele, inesperadamente, lançou o livro janela fora. O coração dela pulou de ânimo mas desfaleceu logo a seguir. Não sabia se o voltaria a ver.

Leia mais »
labirinto

Labirinto

Subiu as escadas e ingressou pelo escancarado pórtico. Na obscuridade pairava teimosa neblina. Ruas aguçadas, emaranhado de nós. Portas, janelas, ora diferentes, ora iguais. Nas paredes, fusão de impressões digitais. Anastácia atónita, na braveza de

Leia mais »

Artigos Recentes

Redes Sociais

Scroll to Top