(Amar)

18011010 1295484033897766 4029379333572868010 n


Esperava-te todos os dias. E tu chegavas e nem sequer me olhavas.
Lembrava-me sempre daquele banco. Solitário, à chuva, frio e vento, ao calor abrasador… ali permanecia, calado, sem gemer.
E mais um dia e outro tu nem fazias ideia do que eu sentia. Nem sequer te aproximavas do banco. Talvez ele te segredasse o que todos já sabiam, menos tu!
«Demasiado ocupado!» – dizias.
(A pressa era quem te oprimia!) Ofuscado certo dia, sentaste-te no banco, tal era a arritmia.
Percebeste então que amar não fazia mal.

Foto: internet

Todos os direitos reservados.
É expressamente proibida a reprodução total ou parcial deste texto, por quaisquer meios, sem prévia autorização, por escrito, da autora.

Leave a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Scroll to Top