«Memory Lane»

84441458 2766184663494355 4427041208254070784 n

Era um tempo diferente sim
Não tinha pressa de ser gente ou de ganhar a corrida
De sonhos ausente como se vivesse despida

Brincava assim
Procurava agulhas da (querida) costureira
Que já estava num frenesim
Uma saia às pregas para a boneca que não tinha
Entre linhas e botões aprendi a fazer bainha

E era o baloiço de uma cabana cenário
Enquanto mães esfregavam roupa à mão
As primas criavam o mistério
Aquele faz de conta que eu levava muito a sério

A pé para a escola
Quebrava o gelo nas poças do caminho
Lá cantavam-se canções, jogava-se ao lencinho
O medo das reguadas era vigente
E nós, pedaços de gente
Aprendíamos a ser
Onde o respeito, naturalmente, vinha a acontecer

De cabelo ouro entrançado
Por dedos trabalhados na lida
Mesmo sem bolo de aniversário
Entendi que o amor é a chave da vida


Foto: Andrea Ramos

Assinatura-Andrea-Ramos

Todos os direitos reservados. Proibida a reprodução por quaisquer meios, salvo em breves citações com indicação da fonte, sem prévia autorização da Autora.

Partilhe:

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Artigos Relacionados

Vida

A vida é uma dádivaPor isso…Vive feliz pelo acordarVive alegre ao pensarNão te desprezes…Fita com esse olhar Flui serenamenteNão angusties pelo passadoFica grata porque ésPorque és… Sempre que a tristeza vemNo teu coração morarVê que

Leia mais »

Porque negar a existência de Deus

Porque rejeitar esse sublime amor?Pensar que se está só… é tristejulgar que Ele não existe, é mau, é dor Viver com ELE é bom, é melodiaEsperar n’ELE é vitóriaé como o raiar do dia Pensar

Leia mais »
natal

Natal

Este é um poema de NatalEmbrulhado de maneira talQue em jeito de exclamaçãoVos trago um amor seguro no peitoComo oferenda ao vosso coração Natal que é nascimentoIgnorado, esquecido por vezesBrilham luzes cintilantes no adventoMas apagadas

Leia mais »

Artigos Recentes

Redes Sociais

Scroll to Top