Things

21743203 1441173489328819 1749802935184268521 n


Não, não te vejo assim
Como vício, (unicamente exercício)
Gosto de escrever porque sim
Brinco com as palavras
Elas prezam-me a mim

Flores são encanto, sim
Emerjo em felicidade, enfim
(Sem motivo evidente
Se devem presentear
E não na inquietação frequente
Quando o clima só dá pra chorar)

O sol de Portugal, excelente
É beleza inaudita
Nos castelos, imponente
Na costa, o céu pintado, poente

Meu país é grande em cultura
(Observo-o – pesarosa minha figura)
Abriu mão de tantos valores
Errante, já não os segura

Saudade é novelo no peito
Nas entranhas enrolado
Saudade não é fraqueza mas preceito
De um povo esforçado

A família…sublime projeto de Deus
Uma essência valiosa
Que banhada em amor se torna ditosa

A arte é apanágio, sei
Vejo-a rebuscada num quadro abstrato
Criatividade plasmada, único retrato

O sustento reconheço
Um lar prazeroso
Fontes de água em clima faustoso
Ao meu Criador enalteço

Cozinha-se a amizade
Porque não?
Com bons ingredientes ela se compõe
A sinceridade se impõe
(Paladar apetitoso)
A verdade nutre o coração
Que manjar delicioso!

Óculos de sol, fundamentais
Fotos e tantas outras coisas mais…

Foto: Andrea Ramos

Todos os direitos reservados.
É expressamente proibida a reprodução total ou parcial deste texto, por quaisquer meios, sem prévia autorização, por escrito, da autora.

Leave a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Scroll to Top