Livro de memórias

16266097 1207849339327903 6557642500635610728 n

Lembras-te de nós no baloiço?
Eu segredava-te ao ouvido que gostava de ti e tu, muito envergonhado, fingias não perceber.
Eram tardes saborosas num frenesim de brincadeiras.


Não foram momentos apenas, foram folhas do meu livro de vida. E cada vez que as folheio sorrio de saudades de ver as tuas bochechas rosadas do sol.

Mais um dia e outro e não entendo como nos distanciámos. A amizade sincera ficou tapada no pote da lembrança. Faço uma força enorme sempre que tento destapa-lo.

A tua voz e gargalhadas estão gravadas.
Partiste para longe e não mais te pude encontrar. Foi o caminho que traçámos sem querer traçar.
Espero-te até a este instante da minha vida.


Por mais garrafas que tenha lançado ao mar com bilhetinhos, acho que foram muito poucas, senão terias visto uma na tua direção. Julgas que desisti? Não!…

O baloiço sobreviveu ao desgaste. Podemos recuperá-lo juntos, gostavas?

Por isso, o meu livro tem páginas vazias para escrever contigo.

Sabes onde estou agora? Sim, isso mesmo, estou a balançar ao som do canto dos pássaros. Fecho os olhos e recosto-me para trás, fingindo que o tempo não passou…

2017. (escrita criativa a partir de uma imagem). Foto: internet

Assinatura-Andrea-Ramos

Todos os direitos reservados. Proibida a reprodução por quaisquer meios, salvo em breves citações com indicação da fonte, sem prévia autorização da Autora.

Partilhe:

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Artigos Relacionados

o melhor presente

O melhor presente

A sala iluminada, a árvore enfeitada no canto, os presentes no chão, a lareira acesa. A família reunida à mesa. Os avós, os pais, os filhos de olhos arregalados para ver por onde começar, se

Leia mais »
the stars

The Stars

Cris era uma criança destemida. Gostava de chocolate, de brincar às escondidas com os amigos do bairro e de animais. Gostava de observar as estrelas. Numa certa noite, a chuva de meteoros anunciada despertou a

Leia mais »
contos, coração sem nada

Coração sem nada

Chorava por tudo e sobretudo por nada. Aquela sensação de deserto perdurava ao cogitar na longa noite! A saudade fazia com que desesperasse, por vezes. Sim, chorava por amor! O amor louco e intenso que

Leia mais »

Artigos Recentes

Redes Sociais

Scroll to Top