«Eye Contact»

Imagem2 1

Ei-los chegados à praia. O carro a abarrotar de tralhas. O pai, a mãe e a filha. O céu nublado nem deixava ver o sol. Caía um borriço teimoso.
Instalados na areia, cheios de frio, cada um embrulhado na sua toalha, sentados nas cadeiras às riscas, temendo que o dia não abrisse. O guarda vento montado e a geleira debaixo do guarda-sol. O pai resmungava. Viera contrariado. A filha queria ir ao mar buscar água mas ele nem a deixava dar um passo. «Brincas aqui!».
«Mas pai…»
«Nem mas nem meio mas, brincas aqui».
A mãe desenrolou as sandes e deu uma a cada um. Estava farta de os ouvir.
A pequena, amuada engoliu o pão que mais parecia uma pedra na garganta apertadinha.
As nuvens desfizeram-se e o sol veio radiante. A mãe procurou na bolsa de praia o protetor solar e encheu de pasta gordurosa esbranquiçada as costas da filha e marido. Estenderam as tolhas e ele disse para a mulher «traz aí as cartas para ver se o dia passa mais depressa». A filha nem uma palavra. De balde na mão enchia e esvaziava. Com a pá fazia pequenos buracos e logo encobria os pés.
A praia já repleta. As ondas do mar acalmavam-se. Bandeira verde e corpos saltitantes para a água.
Claudia, a filha ficou espantada quando viu o camião do menino da família que se instalara perto deles. Ele carregava-o de areia e enchia os cinco baldes. Sem que o seu pai desse conta ela deslizava a tolha para observar mais de perto. Foi então que o menino sai a correr e esbarra nela. Prostrado na areia, meio desajeitado e com uma fúria destravada, fita-a nos olhos. Ela, cabisbaixa, nada fez, nada disse…ela só queria brincar!
O pai dela apercebeu-se e chamou-a. O menino acompanhou-a. Pediu desculpa ao pai e perguntou se podia brincar com a filha. Ele com pouca vontade disse para ficarem no meio das duas famílias.
Pedro e Cláudia brincaram como se conhecessem desde sempre. Risadas e mais risadas. O pai de Pedro tinha trazido todos os baldes cheios de água. Um castelo como o das princesas surgiu e eles imaginaram-se lá com os seus criados, os manjares em mesas enormes, os guardas…olharam-se de novo e riram, deixando-se cair para trás na areia quente. Não sabiam que nascia ali algo maior.

Foto: internet

Assinatura-Andrea-Ramos

Todos os direitos reservados. Proibida a reprodução por quaisquer meios, salvo em breves citações com indicação da fonte, sem prévia autorização da Autora.

Partilhe:

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Artigos Relacionados

contos, envelope mistério

Envelope mistério

Uma mulher encontra, na rua, um envelope fechado. Pega nele, abre-o e surpreende-se ao ler: «Esta mensagem é para ti. Deus ama-te! Não desistas de viver!». De imediato, a mulher, confusa, olha ao seu redor

Leia mais »
pobre helena

Pobre Helena

Ficou um caminho por descobrir. Nunca, nunca o achou. Tentou, tentou…Cabelos brancos, as pernas fatigadas. Helena… só Helena. Helena só.Metia dó! Em noite de lua cheia, sentia-se acompanhada. Nas outras noites, o céu olhava, as

Leia mais »
contos, coração sem nada

Coração sem nada

Chorava por tudo e sobretudo por nada. Aquela sensação de deserto perdurava ao cogitar na longa noite! A saudade fazia com que desesperasse, por vezes. Sim, chorava por amor! O amor louco e intenso que

Leia mais »

Artigos Recentes

Redes Sociais

Scroll to Top