Labirinto

Subiu as escadas e ingressou pelo escancarado pórtico.

Na obscuridade pairava teimosa neblina. Ruas aguçadas, emaranhado de nós.

Portas, janelas, ora diferentes, ora iguais. Nas paredes, fusão de impressões digitais.

Anastácia atónita, na braveza de enormes fontes, avança no labirinto.

Atmosfera de desgraça.

pexels photo 10106856Mari Korz

Ao espiolhar uma janela, sobressalta-lhe a impureza, engasga-se.

Avança. Afrouxa ante escombros desfeitos de corpos feitos.

Janela sequente. Depara-se com a brutalidade – martelo ensanguentado na criatura esvaída.

Horrorizada, apressa-se ofegante. Desenfreadamente, abre outra porta: a garotinha alicia o desposado cliente.

Mais à frente, a janela negra: oceano de mortandade.

No percurso presencia o abuso que à meninez rouba a inocência. Fica enojada!

À direita intrincada, criaturas manobradas em solidão… assiste à injeção.

Em cima, rostos estadistas, insaciáveis.

Ao fundo, no chão, um moribundo.

Janela enorme… o dinheiro imundo turva-lhe a visão. Esgotada, tomba.

O teto desaba em labaredas de ódio. Ferida, em agonia profunda, Anastácia tenta desesperadamente encontrar a saída. Faltam-lhe as forças, desfalece…

Por instantes, abandona-se…
(O grito descrente abre-lhe a passagem)

Pestaneja. Depressa percebe a luz infinita.

Trémula, ergue-se. Repara nas paredes cristalinas, sublimidade em redor.

Caminha. Pasmada e sem entender nada, espreita a janela da calma que lhe serena a alma.

Segue em frente. Janela ante porta, namorados à espreita, num mar de rosas de cetim. Cisnes bailantes, som de harpa. Todas as janelas emanam perfume de frutos exóticos. Em cada porta, o convívio fraterno, sob nuvem de honestidade. Nas ruas da liberdade, o algodão embebe-se nas flores. O céu é de veludo.

Anastácia empolgada é impulsionada pela chama do amor.

No final, junto às escadas, um poema dourado mesclado de perdão, sem preconceito, num círculo de pombas brancas.

Desceu cada degrau… girava-lhe o mundo silêncio.

Finalmente encontrou a chave da saída!

– Abriste os olhos!!! Anastácia, meu amor, estás viva!


Foto: Mari Korz

Assinatura-Andrea-Ramos

Todos os direitos reservados. Proibida a reprodução por quaisquer meios, salvo em breves citações com indicação da fonte, sem prévia autorização da Autora.

Partilhe:

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Artigos Relacionados

a viagem

A viagem

Estava decidida a mudar de rumo. Depois de um abraço demorado ao irmão mais novo, despediu-se da mãe e do pai com dois beijos. Na paragem, não disse uma única palavra. Entrou no autocarro de

Leia mais »
ida

Ida às compras

Ela foi às compras. Cansada pediu ajuda. As pernas teimavam em não querer andar. Tinha andado a evitar… Levaram-lhe o saco vazio por gentileza. Pegou num carrinho e sem a certeza de conseguir chegar ao

Leia mais »
a minha tia

A minha tia

Olhou para o relógio de pulso, orgulhosa. Uma prenda do marido. Maria fazia a viagem de comboio para ver a tia, doente há algum tempo. A tia que a ajudou a crescer, que a ensinara

Leia mais »

Artigos Recentes

Redes Sociais

Scroll to Top