Frágil, sinto-me frágil

fragil andrea ramos foto de Thgusstavo Santana

Leia a crónica inteira:
https://www.publico.pt/2023/01/07/p3/cronica/fragil-sintome-fragil-2033865

Assinatura-Andrea-Ramos

Todos os direitos reservados. Proibida a reprodução por quaisquer meios, salvo em breves citações com indicação da fonte, sem prévia autorização da Autora.

Partilhe:

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Artigos Relacionados

E se faltar o papel higiénico?

Em casa, chama-se alguém, resolve-se a situação. E num wc público? Procura-se o lenço na mala ou o papel das mãos. Momento para dar largas à criatividade. Abrir a folha do rolo, solução à vista.

Leia mais »
banco

Banco de jardim

Não. Não resisto a contemplar-te. Singelo banco de jardim! A incerteza do tempo fez-te belo. Significado tens e deslumbras-me a mim. Se não te visse assim algo abandonado decerto passaria de lado. És solitário, sim.

Leia mais »

Um Novo Tempo

Vou no autocarro. As máscaras, felizmente já não tapam rostos. Também já não escondem sorrisos, não servem mais para amparar lágrimas, esconder o nariz vermelho de tantas assoadelas ou ocultar herpes. Sinto-me estranha, esquisita. Talvez

Leia mais »

Artigos Recentes

Redes Sociais

Scroll to Top