Desnorteado

pexels alex azabache 3254753


Era a tarde de mais um dia. Escurecia…Jonathan já cansado e desgastado da vida, fiel à sua persistência, ali estava, senão a dormitar sob a relva esperança do horto colossal. Jardim esse, que perdera todas as flores.

Os pensamentos desvaneciam e retornavam sem pedir licença, na fusão de ideias turbilhão. Ele não planeava desistir sem perceber o seu sonho cumprido…

Dia seguinte ao outro, dos outros dias. A cadeira de baloiço, o caderno de linhas, os óculos de massa – usuais companheiros.

Dedos afadigados da escrita que a vontade obrigava. Aquele romance expunha trágica história, que não encerrava a narrativa do sonho fantasiado. Fazia parte da lógica do seu mundo interior.

Nada, nem ninguém o faria deter sem que esboçasse o súbito desfecho. Obra-prima sobre vidas embargadas que o fado deixara inacabadas. Ali, debaixo do salgueiro-chorão, Jonathan carpiria as lágrimas do triunfo!

E, nesse mesmo dia, de rompante, sem alcançar se a mente o traíra, Jonathan abrange a seriedade pela aparatosa sonância. O avião trazia à realidade a invenção. O desnorteado avião esborrachava-se junto à residência de todos os dias, uns 200 metros aquém.

A terra estremeceu… O ímpeto clarão ateou a lâmpada da destruição ao seu redor. O impacto, qual trovão colérico em nuvens despidas de horror!… Objetos pessoais mesclavam o amontoado de cinza e lata. Corpos caídos do céu salpicavam a relva – agora carmesim! Fragmentos de gemidos ensurdeciam as sirenes… E a cadeira baloiço crepitava embebida pelas chamas.

Dores infindas trouxeram a certeza do pulsar. Os óculos repousavam na face condoída enrugada.

A partir daquele dia, a malfadada história triunfou.
O salgueiro-chorão emudeceu.
O caderno de linhas… intacto!


Foto: Alex Azabache

Assinatura-Andrea-Ramos

Todos os direitos reservados. Proibida a reprodução por quaisquer meios, salvo em breves citações com indicação da fonte, sem prévia autorização da Autora.

Partilhe:

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Artigos Relacionados

eye

«Eye Contact»

Ei-los chegados à praia. O carro a abarrotar de tralhas. O pai, a mãe e a filha. O céu nublado nem deixava ver o sol. Caía um borriço teimoso.Instalados na areia, cheios de frio, cada

Leia mais »
personagem

Personagem

Secretamente, tinha decidido honrar o seu compromisso.Ela enxugou-lhe o corpo trémulo, delicadamente vestiu-lhe a roupa e abraçou-o, derretendo-o com o seu amor. Os seus longos cabelos massajaram-lhe o pescoço. Sem que desse por isso, a

Leia mais »
amar

(Amar)

Esperava-te todos os dias. E tu chegavas e nem sequer me olhavas. Lembrava-me sempre daquele banco. Solitário, à chuva, frio e vento, ao calor abrasador… ali permanecia, calado, sem gemer. E mais um dia e

Leia mais »

Artigos Recentes

Redes Sociais

Scroll to Top