Estrela Natalícia

Disse-lhe o nome e o comboio percorreu os trilhos furtivamente. Ele, inesperadamente, lançou o livro janela fora.

O coração dela pulou de ânimo mas desfaleceu logo a seguir. Não sabia se o voltaria a ver. Achou-se tal qual uma princesa em busca do amor da sua vida.


«Foi naquela tarde fria de Dezembro que o conheci…mal o conheci… mas sei que é ele!!!
Esta dor no peito arrebata-me! Ai…dói muito… (prostrada na cama lastima a sua sorte).

pexels photo 6218759 Arina Krasnikova

Fui esperar a minha tia que vinha do norte para passar o Natal connosco. Enquanto aguardava sentei-me ao lado de um jovem esbelto, de olhos azuis, cabelo loiro em raios de sol…

Ele estava a ler. Espreitei. Percebi de imediato que não tinha alma lusitana. Meti conversa perguntando as horas. E daí em diante foi uma cavaqueira pegada… Ele viajava para Madrid, depois para Paris, em direção a Londres.


Senti arreios vibrantes cada vez que ele olhava para mim. Era como se o mundo tivesse parado de girar só para me fazer feliz!!!

Mas, o comboio que o levava chegou tão depressa que me arrancou o coração do peito. Estávamos distraídos e ele quase o perdeu. Estupidamente nem lhe perguntei o nome» – Escrevia Teresa no seu diário. As lágrimas manchavam a folha. Era o dia de Natal mais triste da sua vida. O desânimo tomara conta de si…

Melancólica, foi buscar o livro e folheou-o página a página. Queria sentir o bálsamo do seu príncipe.

Ao chegar à última página percebe algo registado. Era a morada de Patrick! Ela não queria acreditar! Porque não viu logo?

Raivosa consigo, indignada, pulou da cama. Fervorosa, beijou desalmadamente o livro e clamou aos céus num grito incessante…

Começou a escrever.

A mão gélida tremia.

A sua estrela natalícia chegara…


Foto: Arina Krasnikova

Assinatura-Andrea-Ramos

Todos os direitos reservados. Proibida a reprodução por quaisquer meios, salvo em breves citações com indicação da fonte, sem prévia autorização da Autora.

Partilhe:

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Artigos Relacionados

almofada

Almofada com super poderes

Era uma vez uma almofada com superpoderes, julgava o Salim. Todas as noites, numa espécie de quarto, Salim, em cima da almofada improvisada, voava. Fechava os olhos, abria os braços e suspirava. O vento empurrava-o

Leia mais »
ida

Ida às compras

Ela foi às compras. Cansada pediu ajuda. As pernas teimavam em não querer andar. Tinha andado a evitar… Levaram-lhe o saco vazio por gentileza. Pegou num carrinho e sem a certeza de conseguir chegar ao

Leia mais »

Artigos Recentes

Redes Sociais

Scroll to Top