Envelope mistério

Uma mulher encontra, na rua, um envelope fechado. Pega nele, abre-o e surpreende-se ao ler:

«Esta mensagem é para ti. Deus ama-te! Não desistas de viver!».

De imediato, a mulher, confusa, olha ao seu redor verificando se alguém a observava.

E, nada; cidade movimentada, ruído, tudo normal! Inquieta, guarda aceleradamente o envelope na mala, tentando não dar importância ao sucedido e continua o seu percurso.

pexels photo 281962John Mark Smith

Já no escritório, Isabel não conseguia esquecer a frase… era como se esta bailasse efusivamente na sua cabeça, perturbando a concentração exigida. Não era capaz de disfarçar!

As lágrimas que se iam soltando molhavam as folhas na secretária. No seu íntimo, aquela frase fazia todo o sentido! Mas… quem saberia das suas intenções pessoais? Afinal, ela não tinha revelado a ninguém… Transtornada, num impulso desesperado, Isabel dirige-se ao gabinete do chefe manifestando que estava a sentir-se mal e sai.

Dentro do carro, sozinha, Isabel estava estática, perplexa. De olhos turbados defronte à frase, dizia repetidamente:

«Mas como, como?»

Ela sabia que alguém estava a contrariar os seus reais intentos. Depois da traição agonizante e dor, vividas ao longo dos dias anteriores, ela estava determinada! Nada valia a pena…- «Mas, e agora?»

Misteriosamente, aquele envelope vinha tumultuar os seus pensamentos.

Amor era palavra desacreditada no seu dicionário até então.

Estaria Deus estava interessado na sua vida? Talvez já não estivesse só… diante de si encontrava-se a possibilidade e o desafio de continuar a viver…

Campeonato de escrita. Foto: John-Mark Smith

Assinatura-Andrea-Ramos

Todos os direitos reservados. Proibida a reprodução por quaisquer meios, salvo em breves citações com indicação da fonte, sem prévia autorização da Autora.

Partilhe:

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Artigos Relacionados

labirinto

Labirinto

Subiu as escadas e ingressou pelo escancarado pórtico. Na obscuridade pairava teimosa neblina. Ruas aguçadas, emaranhado de nós. Portas, janelas, ora diferentes, ora iguais. Nas paredes, fusão de impressões digitais. Anastácia atónita, na braveza de

Leia mais »
ida

Ida às compras

Ela foi às compras. Cansada pediu ajuda. As pernas teimavam em não querer andar. Tinha andado a evitar… Levaram-lhe o saco vazio por gentileza. Pegou num carrinho e sem a certeza de conseguir chegar ao

Leia mais »

Artigos Recentes

Redes Sociais

Scroll to Top