«Eles não nos ouvem!»

eles nao me ouvem cronica andrea ramos foto de Janko Ferlic
Janko Ferlic

«Eles não nos ouvem!»

Foi a resposta de uma aluna de 1º ciclo ao referir-se aos seus pais, quando expliquei que o nome Simão, o protagonista de um dos meus livros, significa: a escutar, a ouvir.

Os pais… cansados, esgotados, um orçamento dançarino, o carro lambão e a engorda das paredes. Estar atentos aos filhos, dar-lhes voz é premente!

Fala-se da importância das crianças na sociedade? Quando é que uma ideia da criança solucionou um problema do adulto? Precisamos de ‘rapazes para prender o vento’ da corrupção neste país!

Quantos professores mencionam que os miúdos estão mais conflituosos, inquietos, depressivos? Diversas vezes, são eles que, assoberbados de burocracia e conteúdos, os escutam. Não se trata de achar os culpados, há que refletir o que andamos a fazer como povo às nossas crianças. Acreditemos nos filhos da geração!

Queremos tudo imediato, não gostamos de esperar. Criamos filhos à pressa? Porque a vida é uma correria? Colocamos bebés em instituições, depois, ao longo de anos encaixotados, uns felizes, outros nem tanto.


Pai e filho, sentados no degrau a conversar. Deixar por momentos a tarefa. Responder a pergunta inconveniente. Ensinar palavras difíceis. Ler dicionários.


Os alunos são avaliados segundo níveis. E se considerássemos os sinais e a vocação? Em vez de perguntar: o que queres ser quando fores grande, seria, o que queres fazer quando fores grande (trabalhando o ser a vida toda)? Um empresário relatou-me: «Não se ensina o empreendedorismo às crianças!» Na juventude, as escolhas vocacionais geram ansiedade e angústia, porque não antecipar cenários? Existem porém, modelos fora do tradicional, exemplo disso, a Escola da Ponte, em Santo Tirso.

Os pais conhecem os seus filhos. Como incentivar as crianças a trabalhar as suas áreas fortes? Se não as ajudarmos, identificando, fazê-las crer, fazer com elas, dar-lhes a chance, ajudá-las a sonhar, iremos colher mais do mesmo. Uma geração à rasca a segurar o futuro de ombros derreados.


Ter certeza do que se sabe, do que se tem, do que é preciso para passar etapa a etapa. Autoconhecimento. Ter consciência dos recursos e definir metas.


Um problema, o da comparação. E a ideia de que todos temos de ser o CR7 lá da terra. Todos têm de ser bons a matemática, a português, educação física e a educação visual.

O meu filho, quando era pequeno perguntou-me: «Mãe, achas que sou bom nalguma coisa?» Se não atentarmos para as crianças, como queremos que falem na adolescência, escolhendo conscientemente?
A Convenção sobre os Direitos da Criança visiona a criança e o adolescente como indivíduo, membro de uma família e comunidade. Direitos e responsabilidades apropriados à sua idade e estágio de desenvolvimento. (Unicef. Org)

Na escola primária, eram minhas as enormes redações. Na universidade, o primeiro exame foi lido em voz alta pelo professor como modelo de resposta. Sinais! Ninguém me disse: um dia vais ser escritora. O acreditar e não desistir, aí reside a diferença. Sonhar, praticar, praticar e ser resiliente. «Somos feitos do mesmo tecido de que são feitos os sonhos» William Shakespeare.

Perguntei a várias crianças do 1º ciclo quais eram os seus sonhos. Muitas delas responderam: «Não tenho sonhos!».

Miguel Quintana Pali, exímio empreendedor, no seu livro Xueños, La historia detrás de Xcaret, el mejor parque del mundo, deixa-nos um conselho: «ixueña y hazlo realidade! La más larga caminata comienza con un solo paso».

Quando damos passos, é um de cada vez, se não, erámos canguru.

Assinatura-Andrea-Ramos

Todos os direitos reservados. Proibida a reprodução por quaisquer meios, salvo em breves citações com indicação da fonte, sem prévia autorização da Autora.

Partilhe:

2 opiniões sobre “«Eles não nos ouvem!»”

  1. José Pires

    Tamanha verdade. Este povo que trabalha demasiadas horas, mas, que também se divorcia da educação dos filhos, sacudindo essa educação para a escola (entenda-se professores), mas, ela também enclausurada em promessas adiadas, não consegue entender que sem educação/cultura um país definha. Por isso a revolta não acontece! também porque embebedados pelo consumismo preferem um telemóvel última geração a uma hora de conversas com os filhos. Pobre país.

    1. Andrea Ramos

      É triste saber que as crianças dizem que não são escutadas. Ando nas escolas a tentar ouvi-las e fazer da sua voz um grito de alerta. Na minha rubrica «Brincar com livros» tentarei reunir a família, os amigos, motivar a ler nesta sociedade que não gosta de pensar.
      Agradeço o seu comentário, José!

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Artigos Relacionados

autismo conscientização versus ação Andrea Ramos

Conscientização versus Ação

(Estou incrédula e em choque! Há semanas escrevi este texto e passado uns dias, uma criança autista é atropelada!) «A sala não tem tamanho suficiente para trabalhar particularmente com a criança. Falta muita formação especifica

Leia mais »

O dia a seguir

Vejo o sol nascer e tenho vontade de renascer. Vejo a família a crescer como a nata do leite a ferver. Vejo os livros na estante com vontade de os ler. O meu dia seguinte,

Leia mais »

Frágil, sinto-me frágil

«O medo de perder a casa porque a prestação aumentou. Não poder comprar o que quero porque o orçamento não deixa. Filhos para alimentar. A água e luz para pagar, acertos que abalam.» Leia a

Leia mais »

Artigos Recentes

Redes Sociais

Scroll to Top