Dar, receber e os sentimentos envolvidos

dar receber andrea ramos foto de jessica lewis

Quem não gosta de ganhar presentes? Ainda há pouco saímos de uma época em que as prendas geram expectativa, principalmente aos mais pequenos e fazem os bolsos dos grandes ficar mais vazios. Infelizmente não passamos tempos fáceis.


Livros, vales, joias, brinquedos, artigos de desporto e do lar, experiências, itens feitos pela própria pessoa e tantas mais ideias servem para surpreender alguém no aniversário ou em datas especiais. Preparar um embrulho bonito, colocar um cartão e já está. A primeira impressão do invólucro gera reação, por mais simples que seja a oferenda. O prazer de receber: o encanto.

O ato de dar traz elevada satisfação, seja pelo presente em si, pelo motivo, por ver a reação da pessoa, por se sentir útil, por gerar boas emoções no outro, enfim.

Costuma dizer-se que conta a intenção e não o preço do artigo que se dá. Há dádivas, porém que não envolvem dinheiro. Um sorriso, um abraço, palavras de apreço e afeição, elogios.

Presentar, ato de altruísmo. Diz-se que faz bem à saúde mental e física, fortalece relacionamentos porque a demonstração de afeto traz equilíbrio nas relações humanas.

Escolher um presente de aniversário é por vezes um desafio. Existe carga emocional quando se trata de alguém a presentar muito especial. A psicologia sugere que tal ato acarreta mais prazer do que o ato de receber. Proporciona bem-estar e combate-se a tristeza. E quando damos sem haver motivo de data especial? Dar porque apenas queremos, qual é o sentimento?

Quando damos tempo, ele é precioso. Há filhos que reclamam tempo dos pais. E quando damos tempo de escuta?

Jesus, o nosso maior exemplo que deu a sua própria vida.

Mais do que o valor do objeto que se entrega a uma pessoa que nos é querida, existe atenção, carinho, reforça sentimentos e dá-nos a sensação de eficácia.

Todos os dias são dias de dádiva! Recebemos tanto logo pela manhã! O sol, o ar que respiramos, a vida… é Deus quem nos dá de graça tudo isso.

Assinatura-Andrea-Ramos

Todos os direitos reservados. Proibida a reprodução por quaisquer meios, salvo em breves citações com indicação da fonte, sem prévia autorização da Autora.

Partilhe:

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Artigos Relacionados

A Mania da Imposição

Quando gostamos de alguma coisa, queremos impor aos outros?Não valerá a pena propor? Sem persuasão? Somos levados a ver séries, anúncios, notícias, vídeos, publicações, enfim. A escolha será sempre nossa, ver ou não ver, comprar

Leia mais »
missed

Missed Connections

Não vivas distante, ausente!Conecta-te, não fiques indiferente! Há quanto tempo não diriges palavra ao teu irmão? Não falas com o teu vizinho? Esqueceste-te de alguém da tua família? Não ligas a quem achas que não

Leia mais »
microfone

O microfone da ribalta

Vivemos hoje numa sociedade egoísta. Alguns exemplos há contrastantes, felizmente, embora não a maioria. Somos levados a pensar que um governo terreno tudo pode mudar. Que pode alterar circunstâncias e que tudo à sua volta

Leia mais »

Artigos Recentes

Redes Sociais

Scroll to Top