Conscientização versus Ação

Autismo Conscientizacao versus acao texto de Andrea Ramos foto polina kovaleva
Foto: Polina Kovaleva

(Estou incrédula e em choque! Há semanas escrevi este texto e passado uns dias, uma criança autista é atropelada!)

«A sala não tem tamanho suficiente para trabalhar particularmente com a criança. Falta muita formação especifica a quem trabalha com estas crianças, que exigem mais tempo e mais atenção, sendo que cada uma apresenta problemas numa determinada área. Deveriam existir espaços calmos.»
«Torna-se agressivo quando é contrariado, outro tem dificuldades em comunicar e expressa-se através da sua frustração.»
«As educadoras de educação especial não têm horas suficientes para poder apoiar estas crianças.»
Relato de uma Educadora Infantil

conscientizacao versus acoes
Foto: Alexander Dummer

Abril ainda vem longe e não precisamos de lá chegar para entender a dificuldade de tantos educadores de infância.

Falo do autismo.

Dia 2, o Dia Mundial para a sua Consciencialização.

Conhecido como transtorno da interação social. O transtorno é também para os educadores, que se vêm esgotados, assoberbados na tentativa de ajudar todas as crianças da sala.
Sabemos que as crianças têm um mundo pela frente. Que mundo, nós adultos, estamos a preparar para elas?

Quando vou a jardins de infância, observo o enorme esforço das educadoras e auxiliares, ao cuidar das crianças autistas e ao mesmo tempo, gerir todas as outras, realizar as atividades do currículo, lidar com os imprevistos.

Educadoras já não sabem o que mais fazer, para o bem das crianças perante a sua prática educativa.
Vários autistas no grupo, veem-se com apenas uma auxiliar na sala. Realizar pequenas tarefas e atividades em grupo é quase impossível.

Diria que existem supermulheres e super-homens!
Ter uma criança a rebolar no chão, a gritar ou a fugir requer outro nível de atenção e interação. Quem sofre deste transtorno tem o seu mundo. Para estas famílias é um novo mundo. Que formação e apoio são dados aos educadores e assistentes?

Leo Kanner e Hans Asperger (1943/1944), graças a eles, a sociedade pôde começar a perceber o espectro, as dificuldades no uso da imaginação, no contato visual, interpessoal, afetivo e na comunicação.
Existem vários graus do transtorno e os sinais de alerta estão descritos. A causa? Sugere-se que advém de fatores genéticos e ambientais. Para o diagnóstico e tratamento se tornar efetivo é necessária uma equipa multidisciplinar. O caminho da aprendizagem está a ser percorrido, porém, é urgente atender ao grito de socorro dos educadores. Como podem ensinar o grupo: 4 mãos para atender cerca de 40 mãos?

O aumento de casos é real!

A ONU previu o dia 2 de Abril para que as sociedades olhassem o autismo de forma integradora. Desde 2008, vários edifícios emblemáticos são pintados de azul. No presente ano, decorre uma campanha no Brasil: «Lugar de autista é em todo lugar!”. Há material disponível para ser descarregado e usar nas redes sociais, em t-shirts ou cartazes. Criaram ofícios, logotipo, história em quadrinhos da Turma da Mónica, alertando escolas, empresas e órgãos públicos.

A história de Benjamim (2016), caso de sucesso, faz-nos refletir sobre o que é viver frustrado quando se cresce imerso no autismo, percepcionamos que é com trabalho que se atingem objetivos e sonhos. Não diferente dos outros viventes?

Assista ao vídeo

Estas pessoas lidam com a adversidade. Ambicionam uma família, ser aceite, ser amado. Não querem todos o mesmo?

Andrea Ramos texto sobre autismo foto polina kovaleva
Foto: Polina Kovaleva

2022, ano da observância para o autismo.

Não bastará a promessa, há que definir estratégias que incluirão e facilitação a qualidade de vida dos autistas e de quem lida diariamente com a situação.


A ordem dos enfermeiros plasmou entidades que abraçam a causa, empenhadas em vencer, ajudam famílias, dão formação e ofertam serviços. Importa ressalvar que todos os profissionais carecem da qualidade na sua prática diária. E ainda restam todas as outras crianças!

O Dia Internacional dos Direitos das Crianças é também para os autistas! Sem discriminações! Com mais ações intencionais.
Junto a minha voz à causa, escrevendo.
Os educadores têm o meu obrigada!
E porque todos os dias, estão lá pelos nossos filhos.

Assinatura-Andrea-Ramos

Todos os direitos reservados. Proibida a reprodução por quaisquer meios, salvo em breves citações com indicação da fonte, sem prévia autorização da Autora.

Partilhe:

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Artigos Relacionados

Fase Pipoca?

Podia estar a fazer qualquer outra coisa, podia. Mas estou a escrever. Sim, acredito que Deus me deu este dom. Se eu não acreditar, quem vai acreditar? Esta página está criada há algum tempo e

Leia mais »

Filhos Amados

Sem querer, por querer. Desejados. Usamos a expressão «Meu filho». Na realidade, os filhos são uma dádiva e não um direito ou objeto de pertença. «Que venha perfeitinho» é o que se deseja a uma

Leia mais »

Somos Humanos

Somos humanos. Somos gente de algum lado, de alguma terra. Somos feitos da mesma matéria. Nascemos da mesma forma, todos caminhamos para o dia da morte. Muitos acham que Deus não existe. E têm esse

Leia mais »

Artigos Recentes

Redes Sociais

Scroll to Top