The unrequited love poem

Imagem1gjh

Ela esperou quase mil anos
Não tinha quaisquer planos
(A distância não sentia qualquer culpa!)
Ansiava rosto terno, sereno
E em jeito de desculpa
Não se arrumava, não vivia em pleno

Encontrou-o como por acaso
Numa qualquer rua, no inverno
Descobrira a paixão, o amor cego
Mas ele era tal o desapego
Que sempre lhe mostrara o inferno

Apagou desde aquele dia
Os planos que rabiscara no caderno
– Ai, Sofia, Sofia…
Fizeste-te uma mulher distante, fria
(Tal como aquele inverno)

Ela não mais creu no amor!
Julgou-o aprisionado, sofrido
Carregou desde então a vida sem primor
Sem alcançar o supremo valor
Porque enfim, não fora correspondido!

Foto: internet

Assinatura-Andrea-Ramos

Todos os direitos reservados. Proibida a reprodução por quaisquer meios, salvo em breves citações com indicação da fonte, sem prévia autorização da Autora.

Partilhe:

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Artigos Relacionados

Planta o Amor

Planta o amor que vem de Deus no teu coração.Esse amor é dádiva. Esse amor é pleno, total. É amor sem defeitos. É amor real, verdadeiro. Esse amor traz paz… Se amas alguém…Rega esse amor

Leia mais »

Não encontras, não?

Se buscas algo e não sabes o que procuras…fala com Deus, Ele ajuda-te na definição. Se queres o que não tens e anseias o desconhecido…pensa em Deus que te dá sempre atenção. Se pretendes conhecer

Leia mais »
paredes

Ai se as paredes falassem

Ai se as paredes falassemTanto teriam para contar Ai se as paredes chorassemAs atrocidades presenciadas Ai se as paredes prendessemAs mãos do agressor Ai se as paredes aplaudissemIncentivando apaziguadores Ai se as paredes desvendassemMentiras tolas,

Leia mais »

Artigos Recentes

Redes Sociais

Scroll to Top