Agrafador ao Peito

pexels photo 9281814


De agrafador no peito vivia donzela Maria.

Guardara até aquele dia o amor bem agrafado.

De tão apertado que estava o peito, Maria tossia, tossia. A tosse era seca parecia um elefante na savana ao calor abrasador, deitado.

Já cansada e desesperada arrancou os agrafos, furiosa.

Findara aquele amor. Sangrou de dor o peito. A tosse terminou.

E agora Maria – a donzela vive no jardim de noite e de dia e lá figura o seu lírio predileto.

Foto: Polina Chistyakova – Histórias em 77 palavras, Desafio nº 89, Publicado no Blogue 77 Palavras

Assinatura-Andrea-Ramos

Todos os direitos reservados. Proibida a reprodução por quaisquer meios, salvo em breves citações com indicação da fonte, sem prévia autorização da Autora.

Partilhe:

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Artigos Relacionados

surpresas

Surpresas

– Bom, estavas aí a debitar e nem te lembraste que hoje faço anos… – Saber esperar é uma grande virtude… – É, eu sei, mas é quase meia-noite e nada… – O teu presente

Leia mais »
desafios de escrita, palavras

Palavras

«Palavras ocas, palavras frias que ninguém deseja. Palavras sentidas, carinhosas, que não ficam perdidas, são desejadas e amadas. Palavras que o vento não espalha quando têm dentro a razão. Mas causa-me esta sensação de as

Leia mais »
doença

Doença malvada

O inverno dos sentidos tinha chegado repentinamente, impetuoso. Na cama do hospital, José cogitava o seu passado. Sonhava com aquela que fora a paixão da sua vida e abraçava-a no pensamento. Gemia de saudade. A

Leia mais »

Artigos Recentes

Redes Sociais

Scroll to Top