Agrafador ao Peito

pexels photo 9281814


De agrafador no peito vivia donzela Maria. Guardara até aquele dia o amor bem agrafado. De tão apertado que estava o peito, Maria tossia, tossia. A tosse era seca parecia um elefante na savana ao calor abrasador, deitado.
Já cansada e desesperada arrancou os agrafos, furiosa. Findara aquele amor. Sangrou de dor o peito. A tosse terminou.
E agora Maria – a donzela vive no jardim de noite e de dia e lá figura o seu lírio predileto.

Foto: Polina Chistyakova – Histórias em 77 palavras, Desafio nº 89, Publicado no Blogue 77 Palavras

Todos os direitos reservados.
É expressamente proibida a reprodução total ou parcial deste texto, por quaisquer meios, sem prévia autorização, por escrito, da autora.

Leave a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Scroll to Top