«The Vessel»

30


Por onde andaste?
Pergunto-te e não respondes…
Que barco és tu afinal?

Vagaste imponente no mar
Carregado viste homens de força
E outros sem força cheios de vontade
E em verdade os viste chorar
Pela ventura do seu trabalhar

Lamentos e queixumes
Ouviste tu em surdina
Costas suadas, ensanguentadas
Pés descalços da popa à proa
Será que o tormento te fascina?
Eles não trabalharam à toa!

Embarcação antiquada
Estavas tu naquele porto atracada
Vestiste-te de nova para bem parecer
Debaixo de um tórrido calor
Nem o teu mestre te podia valer

Escondes segredos infindos, profundos
Na imensidão que desnudo te vê
O estandarte guias a outros mundos
Numa missão que é só tua
E ninguém sabe o porquê

Vi tua expressão luminosa
Numa paleta de cores quentes
Ali estavas tu, vaidosa, parada
Embarcação velha, mas airosa
De traços galantes, salientes
Para ostentar um pouco de nada

Faço-te hoje singela homenagem
Percebi-te desde aquele dia
História que não contaste
Uma fotografia. Jamais miragem.

Foto: Andrea Ramos

Todos os direitos reservados.
É expressamente proibida a reprodução total ou parcial deste texto, por quaisquer meios, sem prévia autorização, por escrito, da autora.

Leave a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Scroll to Top